Megaesôfago

Compartilhe

Megaesôfago 11 de agosto de 2011

Megaesôfago é uma condição na qual o esôfago está aumentado (mais largo que o normal) e torna-se incapaz de empurrar o alimento digerido para o estômago. O megaesôfago ocorre com menor freqüência em gatos e é mais comum em cães. Ele pode ser congênito (o animal nasce com essa alteração) ou adquirido (desenvolve depois de adulto e nesse caso pode estar relacionado a outras doenças). Pneumonia causada pela aspiração de alimento regurgitado é uma complicação freqüênte do megaesôfago. Enquanto esta condição pode aparecer subitamente em animais adultos, é muito comum em animais jovens logo após o desmame. É hereditário em Fox Terrier pêlo duro, Schnauzers miniatura e possivelmente outros.

Essa filhotinha de Schnauzer nos primeiros dias do desmame (em torno de 30 dias), quando iniciamos a papinha de desmame começou a ficar dispneica (com falta de ar) e regurgitar todo alimento. Ela foi atendida rapidamente e através do exame radiográfico e do exame de hemograma identificamos o aumento do calibre do esôfago e de hemograma com leucocitose, fechando assim o diagnóstico de MEGAESÔFAGO CONGÊNITO com possível pneumonia aspirativa.

O tratamento indicado foi de antibiótico devido ao início de pneumonia aspirativa, manejo alimentar com alimentação pastosa e em pé. Hoje o animal já está com 45 dias de idade, ainda regurgita, mas em menor frequencia e acreditamos que conforme for crescendo e se adaptando a comer em pé, o manejo será eficiente para ter um controle das regurgitações e das possíveis pneumonias.

Pontos importantes no diagnóstico e tratamento: 

1. Rx contrastado (ESOFAGOGRAMA, utilizando-se contraste à base de bário) é freqüentemente necessário para diagnóstico desta condição.

2. Manejo alimentar com dieta pastosa ou líquida, colocando o comedouro e o bebedouro no nível dos olhos do animal ou mais acima, para que a gravidade permita ajudar o alimento e a água passarem para dentro do estômago. Normalmente fazemos isso colocando um “banquinho” com os pratos sobre ele e o animal come apoiado com as patas da frente nessa posição. Forcar o animal a permanecer nessa posição por no mínimo 5 minutos depois de se alimentar para auxiliar na passagem do alimento pelo esôfago.

3. Fracionar a alimentação em pequenas porções.

Como é uma condição que vai persistir por toda a vida o contato com o veterinário deve ser frequente e se observar regurgitações constantes ou alteração no padrão respiratório o animal deve então ser avaliado.

O contato com o veterinário deve ocorrer se:

– Se o animal continua regurgitando alimento e/ou água;
– Se o estado geral de saúde do seu animal piorar;
– Seu animal está com tosse ou tem dificuldade e/ou barulho para respirar.

Aqui no Hospital veterinário Pet Care o serviço de clínica médica está preparado para esse diagnóstico quer seja na pediatria ou em animais adultos. Com a avaliação clínica, serviço de radiologia e rx contrastado e apoio do laboratório com o exame de hemograma o diagnóstico pode ser dado logo após o atendimento.

 

Gostou do conteúdo?
Compartilhe

Leia também

Ibirapuera

11 3050-2273

11 95023-3626

Av. República do Líbano, 270 Ibirapuera - SP

Saiba maissaiba mais da unidade Ibirapuera

Morumbi

11 3740-2152

11 99451-6319

Avenida Giovanni Gronchi , 3001 Morumbi - SP

Saiba maissaiba mais da unidade Morumbi

Pacaembu

11 4305-9755

11 97450-1843

Av. Pacaembu, 1839 Pacaembu - SP

Saiba maissaiba mais da unidade Pacaembu

Tatuapé

11 3019-2300

11 99787-1305

Rua Serra do Japi, 965 Tatuapé - SP

Saiba maissaiba mais da unidade Tatuapé

Centro de Radioterapia

11 94394-6254

Rua João Avelino Pinho Mellão 321 - Morumbi - SP

Saiba maissaiba mais da unidade Centro de Radioterapia