Home / Uncategorized / Tosse de cachorro ou cachorro engasgado? Saiba diferenciar

A tosse é diferente do engasgo, mas em muitas situações podemos nos confundir. Por isso, vamos explicar aqui a diferença entre eles

Segundo a Dra. Josyanne Christine Oshika, médica-veterinária especializada em pneumologia, “a tosse é um mecanismo de defesa do corpo contra agentes infecciosos, secreções na garganta e nos pulmões, e até mesmo corpos estranhos”. Ao soltar o ar rapidamente, a intenção é eliminar esses inimigos.

“O engasgo também é um ato de defesa do organismo, normalmente para tentar expelir água, comida ou objetos que, no momento da deglutição, foram para um caminho errado. Os cães também podem se engasgar por conta de objetos ou brinquedos que fiquem entalados na garganta, por algum tumor presente no céu da boca ou por uma alteração nos nervos”, explica. Ao engasgar, é comum os cães colocarem as patas na boca, esfregarem o rosto e terem falta de ar.

Quando devo procurar um veterinário?

Se a tosse ou o engasgo não passar rapidamente, será preciso levar seu cão ao veterinário. Os casos de obstrução são gravíssimos e podem levar ao sufocamento.

Observar o comportamento do pet é muito importante. Tente reparar se ele tosse em algum horário específico do dia, como ao acordar ou à noite; se as crises acontecem depois de beber água ou de se alimentar; se os episódios têm a ver com ansiedade ou euforia – por exemplo, quando você chega em casa; e se o quadro apareceu repentinamente ou se já persiste há algum tempo. O veterinário vai levar em conta todos os detalhes que você puder informar para fechar o diagnóstico.

Fazer um vídeo do seu cãozinho no momento da crise também vai ajudar, pois muitas vezes durante a consulta ele não irá tossir. Tanto engasgos quanto fortes episódios de tosse podem levar o pet a um quadro de falta de ar e, consequentemente, de risco de vida.  Os principais sinais de que seu cachorro está com falta de ar são: língua azulada ou roxa e um alongamento do pescoço para respirar, como se estivesse se afogando.

Com o histórico, a avaliação física e exames complementares, como o raio-x, o veterinário vai decidir o melhor tratamento para o seu pet.

Quais os tipos de tosse?

Segundo a Dra. Josy, a tosse pode ser dividida em dois grupos:

1. Tosse úmida ou produtiva – um tipo de tosse que dá a impressão de que o cachorro vai colocar algo para fora. Alguns pais de pet confundem essa tosse com ânsia de vômito. Na maioria das vezes, o cachorro acaba expectorando e engolindo a secreção, que pode ser muco, líquido de edema ou sangue vindos da traquéia e dos brônquios.

2. Tosse seca ou não produtiva – um tipo de tosse que se parece com um “grasnar de ganso”. Essa tosse é extremamente irritativa e sem eliminação de secreção.

Quais as doenças relacionadas à tosse?


Entre as doenças que estão associadas à tosse, a Dra. Josy conta que “são muito comuns os casos de bronquite crônica, colapso de traqueia tosse seca, broncomalácia, complexo respiratório canino e broncopneumonia”.

Em filhotes, além de o veterinário pesquisar infecções virais e bacterianas, é comum considerar infecções parasitárias. Por isso, exames complementares podem ser necessários para o diagnóstico final, como o raio-x, PCR de doenças respiratórias e laringotraqueobroncoscopia.

Descobrir a causa da tosse é um grande desafio para o veterinário, pois as causas são inúmeras.

Como tratar tosse e engasgos?

O tratamento para tosse ou cachorro engasgado vai depender da causa. No caso dos engasgos sem obstrução, controlar a ansiedade e elevar os potes de água e de comida podem minimizar o quadro.

No caso da tosse, dependendo da alteração apresentada pelo cachorro, pode ser necessário entrar com medicações como corticoides, agentes mucolíticos e antitussígenos, além de inalação, controle de peso e de ansiedade, e correção cirúrgica em alguns casos.

Vacinar meu cão ajuda a prevenir a tosse?

Sim! Algumas doenças infectocontagiosas como Bordetella bronchiseptica, Adenovírus Canino tipo 2, Parainfluenza Canina e Cinomose, que provocam a tosse, podem ser evitadas com a vacinação.

A Dra Josy comenta que “é importante lembrar que hoje em dia muitos cães frequentam banho e tosa, day care e creches, ou seja, acabam tendo contato com outros cães vindos de lugares diferentes. Por isso, é importante conversar com o seu veterinário sobre a vacina da gripe canina. A vacina, assim como em humanos, não impede que o cão entre em contato com o vírus ou com as bactérias, mas evita uma manifestação sintomática forte dessas doenças.

Quais são outras formas de prevenir tosse e engasgos?

cachorro tossindo ou engasgado

Para prevenir a tosse, é preciso oferecer uma alimentação de boa qualidade, vacinar seu cachorro e levá-lo para os check-ups anuais, assim qualquer doença será percebida logo no início.

Para evitar engasgos, mantenha objetos pequenos fora do alcance do seu cachorro e compre brinquedos de qualidade, que não soltem as peças. Além disso, evite dar grandes pedaços de comida, ossos ou alimentos duros que possam quebrar e ser engolidos.

Escolha um comedouro adequado ao tamanho do seu pet evitando que ele coma muito rápido e engula grandes quantidades. Se seu cachorro for do tipo esganado, vale a pena investir nos comedouros lentos, que fazem com que o cão consiga pegar poucos grãos por vez.

É preciso ter um cuidado maior com cães idosos?

Sim, cachorros idosos precisam de mais atenção. A Dra. Josy explica que, com o passar dos anos, os cães idosos podem tossir devido a alterações degenerativas das cartilagens, bronquites crônicas e secundárias a alterações cardíacas, doenças endócrinas e neurológicas. Além disso, ela faz  um alerta sobre a vacinação, pois “muitos pais de cachorro acreditam que eles não precisam de reforço vacinal, mas isso deve ser conversado com o veterinário”.

Algumas raças costumam tossir e engasgar mais?

Sim. Raças como Pug, Buldogue e Shih Tzu podem apresentar quadros de engasgos com mais frequência por terem o céu da boca mais alongado e por terem um comportamento mais ansioso e agitado. Eles tendem a desenvolver colapso de traqueia e broncomalácia.

O Yorkshire e o Spitz são predispostos ao desenvolvimento de colapso de traquéia. Já os labradores têm predisposição à paralisia de laringe, que pode gerar quadros de engasgos inicialmente e, com o passar do tempo, levar o cachorro a crises de falta de ar.

Converse com seu veterinário sobre as particularidades da raça do seu cãozinho e os cuidados que você precisa tomar.

Agora você já sabe a diferença entre cachorro engasgado e tossindo. Se tiver alguma dúvida, não espere, consulte o veterinário de sua confiança. Nós, do Pet Care, estamos à disposição para atender o seu melhor amigo.

Fonte: Dra. Josyanne Christine Oshika, médica-veterinária pneumologista

Artigos Relacionados

Mais Categorias

Pin It on Pinterest

Posso ajudar?