DIABETES PARTE II

Compartilhe

DIABETES PARTE II 11 de abril de 2012

SINTOMAS: Devido à falta de insulina ou resistência à insulina, o cão ou gato acumula açúcar (glicose) no sangue, o que chamamos de hiperglicemia.

A hiperglicemia provoca maior liberação de glicose na urina (glicosúria) e consequentemente maior volume de água é liberado junto à glicose, fazendo o animal urinar em grandes quantidades (poliúria). Essa perda de água é compensada pelo organismo através do aumento de consumo de água (polidipsia).

Como as células do corpo perderam o acesso ao açúcar do sangue, são enviadas mensagens ao sistema nervoso para que haja compensação da falta de energia. Desta forma, o centro da saciedade no sistema nervoso aumenta o apetite e os animais começam a comer mais e mais (polifagia).

Mesmo com estes mecanismos a glicose ainda não chega ao interior das células, então o organismo começa metabolizar gordura e proteínas para produzir energia, levando à perda de peso.

Desta forma temos um quadro chamado de “4 Ps”, que constituem os 4 sintomas mais comuns do Diabetes mellitus: poliúria, polidipsia, polifagia e perda de peso.

Além destes quatro sintomas existem outros:

catarata diabética em cães: provocada por acúmulo de glicose e de outra substância chamada sorbitol no cristalino do globo ocular. Pode ser o primeiro sintoma que o proprietário percebe. O cristalino fica “azulado” e animal fica cego.

fraqueza muscular: mais comum em gatos, provocada por “intoxicação por glicose” dos nervos periféricos (neuropatia diabética). Quando o diabetes chega a estágio avançado o gato apoia-se sobre as pernas, ao invés de sobre os dedos (posição plantígrada).

infecção urinária: a urina rica em glicose é substrato de crescimento bacteriano. Manifesta-se por urina com sangue, incontinência urinária, secreção vaginal, etc.

– vômito, prostração (fraqueza), falta de apetite: ocorrem em estágios mais avançados da doença.

DIAGNÓSTICO:

O diagnóstico deve ser realizado por médico veterinário, que avaliará o histórico do animal, os sintomas relatados e solicitará exames complementares.

Frente aos sintomas acima referidos, o veterinário pode solicitar os seguintes exames para o diagnóstico do diabetes mellitus:

glicemia: dosagem da glicose do sangue – pode ser feito em laboratório ou no consultório com aparelhos de glicemia, neste caso com resultado imediato.

exame de urina: para avaliação da presença de glicose na urina (glicosúria).

Em cães a presença dos sintomas + hiperglicemia + glicosúria confirma o diagnóstico de Diabetes mellitus.

Já os gatos podem apresentar hiperglicemia puramente por estresse, por exemplo, quando estão no consultório ou durante a coleta de sangue. Então pode ser necessário outro exame laboratorial para confirmar o diagnóstico em gatos:

frutosamina: é uma proteína que tem grande afinidade por glicose. Ou seja, animais diabéticos tem aumento dos níveis de frutosamina no sangue. Ajuda a diferenciar a hiperglicemia por estresse, que é momentânea, do diabetes, que é um estado crônico.

TRATAMENTO:

O tratamento do cão ou gato diabético deve ser prescrito e orientado pelo veterinário.

O alicerce do tratamento é o uso de insulina injetável, por via subcutânea. Mesmo os gatos com diabetes mellitus tipo II necessitam de tratamento com insulina, pois a capacidade do pâncreas para produzir insulina a fim de vencer os fatores de resistência vai se esgotando aos poucos.

Isso pode assustar os proprietários (e os animais!) no início do tratamento, mas com o tempo é possível se acostumar bem com a situação. O animal diabético pode ter uma vida saudável e uma sobrevida de qualidade, mesmo tendo que “tomar” injeções diariamente.

Existem hoje no mercado diversos tipos de insulina, e o veterinário deverá escolher qual a insulina é recomendada para seu animal, bem como orientar quanto à dose da insulina a ser administrada. Esta dose pode precisar de ajustes frequentes.

Um fator muito importante no tratamento do diabetes mellitus em cães e gatos é a dieta. Cães diabéticos precisam de dietas ricas em fibras, pois aumentam o trânsito intestinal, diminuindo a absorção de glicose pelo trato digestivo. Gatos necessitam de dietas ricas em proteínas e pobres em carboidratos (açúcares). Cães e gatos necessitam de dieta hipocalórica para controlar a obesidade, que é um fator de resistência insulínica.

A dieta deve ser calculada e monitorada pelo veterinário, pois depende do estado clínico do animal.

Outro ponto a ser considerado é o controle dos fatores de resistência insulínica: tratar doenças predisponentes, castração das cadelas fêmeas (lembre-se que o cio é fator de resistência), controlar o uso de medicamentos que causam diabetes mellitus (mesmo que sejam de uso tópico – pomadas, colírios), controlar a obesidade, etc.

O Diabetes, apesar de ser uma doença grave e “para o resto da vida”, pode ser tratada e se bem conduzida, pode proporcionar uma vida praticamente normal ao cão ou gato. Retornos periódicos e controle de peso e glicemias podem ser necessários e por isso o contato com o Médico Veterinário deve ser constante.

A equipe de clínicos para atendimento de PATOLOGIAS ENDÓCRINAS do HOSPITAL VETERINÁRIO PET CARE agora conta com a consultoria e orientação da DRA MÁRCIA JERICÓ. O atendimento de urgências endócrinas atende 24 horas por dia todos os dias do ano e para consulta de rotina o agendamento pode ser feito pelo telefone 3743 2142.

 

 

Gostou do conteúdo?
Compartilhe

Leia também

Ibirapuera

11 3050-2273

11 95023-3626

Av. República do Líbano, 270 Ibirapuera - SP

Saiba maissaiba mais da unidade Ibirapuera

Morumbi

11 3740-2152

11 99451-6319

Avenida Giovanni Gronchi , 3001 Morumbi - SP

Saiba maissaiba mais da unidade Morumbi

Pacaembu

11 4305-9755

11 97450-1843

Av. Pacaembu, 1839 Pacaembu - SP

Saiba maissaiba mais da unidade Pacaembu

Tatuapé

11 3019-2300

11 99787-1305

Rua Serra do Japi, 965 Tatuapé - SP

Saiba maissaiba mais da unidade Tatuapé

Centro de Radioterapia

11 94394-6254

Rua João Avelino Pinho Mellão 321 - Morumbi - SP

Saiba maissaiba mais da unidade Centro de Radioterapia