Home / CÃES / Casos Clínicos / Reação alérgica em animais a picadas de insetos, vacinas e medicamentos

Esse filhote foi atendido no Pet Care com uma reação de angioedema e urticaria na face decorrente da picada de uma abelha. É muito comum em filhotes que vão cheirar ou brincar com o inseto. Além da dor local depois de alguns minutos, os animais desenvolvem inchaço da face e placas urticariformes que causam desconforto e coceira.

A picada de inseto é a causa mais comum de reações anafiláticas/anafilactóides, seguido de aplicações de vacinas e alguns medicamentos.

Normalmente, no caso de picada de inseto, como a quantidade de veneno é pequena, não ocorrem grandes problemas, mas quando a reação alérgica é causada por vacinas ou medicamentos, esses sinais podem ser somente o início de uma série de sintomas que podem levar o animal a óbito, se não for tratado a tempo.

Saiba mais sobre reação anafilática

Reações de hipersensibilidade (anafiláticas e anafilactoides) podem ocorrer em cães e gatos após a inoculação de qualquer material estranho ao organismo, como veneno de uma picada de inseto, aplicação de vacinas, inoculação de medicamentos e até produtos químicos presentes em alimentos.

A gravidade destas reações podem variar desde uma simples erupção cutânea com prurido (coceira), até alterações gravíssimas no sistema respiratório, gastrointestinal e cardiovascular com sinais de hipotensão, vômitos, diarreia e estresse respiratório, não raramente levando o animal a óbito se não tratado rapidamente.

Vacinas que contenham bacterina (vacina de Leptospirose) ou adjuvante (vacina antirrábica) são mais propensas a causar reações de hipersensibilidade se comparadas à vacinas que contenham somente vírus vivos modificados.

A resposta ao estímulo, assim como a intensidade da resposta, depende de um componente genético, pois algumas famílias, raças e indivíduos tendem a apresentar respostas alérgicas com maior frequência e maior intensidade.

No caso das vacinas em animais jovens, a produção de IgE (que vai causar a resposta anafilática) requer uma exposição prévia, seja de anticorpos maternos ou de uma primeira aplicação. Assim o mais comum é que a reação de hipersensibilidade ocorra na segunda aplicação da vacina, quando o filhote já esta sensibilizado.

Essa reação do IgE com os mastócitos (células presentes em vários tecidos do corpo) liberam uma grande quantidade de histamina e outros potentes agentes biologicamente ativos que causam alterações de permeabilidade vascular e edema nos vasos sanguíneos, resultam em broncoconstricção nas vias aéreas e resultam em hipermotilidade, vômito e diarreias nos intestinos.

A gravidade da reação depende de vários fatores, como número e localização dos mastócitos, do grau de sensibilidade do indivíduo, da quantidade do antígeno causador da reação e da via de inoculação (intravenoso, subcutânea, inalação ou ingestão).

As duas formas clínicas mais comuns na clínica de pequenos animais são urticária com manifestação gastrointestinal em cães e alteração respiratória em gatos.

A urticária é causada pela degranulação dos mastócitos localizados na pele que, ao liberar a histamina, causa uma irritação local que vai se manisfestar através da coceira. Os sinais de anafilaxia aguda pode ter várias apresentação de acordo com a espécie.

Nos cães, os órgãos de choque são o figado e intestino, apresentando inicialmente sinais de agitação, coceira da face seguido por salivação, vômito, defecação e micção. O quadro pode evoluir desfavoravelmente com fraqueza muscular, depressão respiratória, alterações circulatórias com hipotensão, convulsões e morte.

Já nos felinos, o órgão de choque é o pulmão. O quadro se inicia com prurido intenso na cabeça, seguido de alteração do padrão respiratório causada pela hipotensão que leva a edema pulmonar e broncoconstrição nesse orgão. Depois pode apresentar salivação, vômito, ataxia, colapso e morte.

Como essas reações de hipersensibilidade não têm um padrão de sinais clínicos e de intensidade, devem sempre ser consideradas emergência veterinária e medicadas o quanto antes para a interrupção da cascata de acontecimentos, melhoria do prognóstico e chances de recuperação do animal.

Artigos Relacionados
Cuidados com seu cachorro idoso no inverno

Cuidados com seu cachorro idoso no inverno

No inverno, aumenta a nossa preocupação com os cães idosos, afinal, eles sentem mais frio.

Veja algumas dicas para o seu cãozinho ficar confortável e continuar saudável.

Tosse de cachorro ou cachorro engasgado? Saiba diferenciar

Tosse de cachorro ou cachorro engasgado? Saiba diferenciar

A tosse é diferente do engasgo, mas em muitas situações podemos nos confundir. Por isso, vamos explicar aqui a diferença entre eles Segundo a Dra. Josyanne Christine Oshika, médica-veterinária especializada em pneumologia, "a tosse é um mecanismo de defesa do corpo...

Quais são os riscos da obesidade em cães e gatos?

Quais são os riscos da obesidade em cães e gatos?

Quem não acha um cão ou gato gordinho a coisa mais linda do mundo? O sobrepeso e a obesidade, entretanto, não são apenas uma questão estética, mas um problema de saúde que pode trazer diversas complicações aos pets. Segundo a nutricionista veterinária Dra. Monique...

Odontologia veterinária: anestesia geral é segura?

Odontologia veterinária: anestesia geral é segura?

A Odontologia Veterinária é uma área da medicina veterinária que se dedica ao diagnóstico e tratamento das doenças dentárias e orais dos animais Quem nunca sentiu medo de levar seu pet para fazer um procedimento que precisa de anestesia? A gente fica apreensivo,...

Cuidados com cachorro no verão: o que você deve saber

Cuidados com cachorro no verão: o que você deve saber

Entenda os cuidados necessários para garantir a saúde e o bem-estar com cuidados com cachorro no verão Você sabia que os cães não transpiram como a gente? Eles regulam a temperatura corporal inspirando ar frio e expirando ar quente quando ficam ofegantes, trocando...

Mais Categorias

Pin It on Pinterest

Posso ajudar?