Nós sabemos que mulheres tem que fazer exame de toque nos seios frequentemente e homens tem que fazer exame da próstata após os 40 anos de idade. O que talvez nem todo mundo saiba é que as cadelas e os cães também precisam de cuidados e exames desse tipo.

Quando um cão fica mais velho, geralmente a partir dos 5 ou 6 anos de idade, pode começar a aparecer um aumento prostático.

Como percebemos isso?

Muitas vezes o animal apresenta dor abdominal; outras vezes, infecção urinária, pois não consegue esvaziar totalmente a bexiga. Outros machos apresentam sangramento pelo pênis. Alguns não conseguem defecar direito e o cocô sai em forma de fita (achatado).

Em outros, o esforço para defecar e urinar é tão grande que acabam formando uma hérnia perineal. Quando a próstata inflama, criando uma prostatite, o animal pode ter febre, vômitos, diarreia etc.

Primeiramente, qualquer dono de cão macho tem que observar que o cão apresenta qualquer um destes sintomas acima, é aconselhável fazer um ultrassom abdominal uma vez ao ano após os 5 ou 6 anos de idade. O toque retal prostático pode ou não dar diagnóstico em cães. Saberemos muito melhor avaliar pelo resultado da imagem do ultrassom. Em alguns animais, quando radiografamos o abdômen, podemos ver também o aumento prostático.

Uma prostatite crônica pode evoluir para um câncer prostático. Geralmente carcinoma prostático. É raro, mas acontece. Nestes casos, o tratamento é muito mais complicado.

Em cães onde diagnosticamos aumento da próstata, recomendamos a castração que com certeza resolverá o problema. Existe controle com uso de medicamento, mas, é caro e tem que ser feito para o resto da vida todos os dias.

Medicina Veterinária Preventiva indica exames de ultrassonografia em cães machos para controle da próstata, anualmente a partir dos 6 anos de idade.

Gatos não tem problema prostático como em cães.



Posts Relacionados:


  1. Problema de prostata em cães

  2. CISTOS PROSTÁTICOS EM CÃES

  3. Carrapatos: Como tratar o problema?

  4. PODE SER PROBLEMA DE CORAÇÃO?

  5. Bicho geográfico. Os causadores desse problema são os cães e gatos