A convivência entre as pessoas e os animais domésticos deve se basear em uma relação prazerosa. Normalmente decidimos por dividir nossa casa com os animais por que gostamos deles e baseado nisso, por que essa convivência nos dá prazer. Assim os cuidados devem ser tomados em relação a ambos os indivíduos (nós e os animais). Lembre-se que hoje em dia um cão e gato podem viver por mais de 16 anos em média.

Em relação aos animais, devemos levar em consideração sua segurança e conforto. Grades e telas em janelas de apartamentos são obrigatórias principalmente se tratando de felinos. Em casas e residências térreas portões e muros devem impedir o livre acesso dos animais á rua e aos riscos que elas oferecem. Oferecer um local seguro onde o animal se sinta confortável e protegido (uma casinha, uma almofada ou um cômodo da casa e/ou apartamento) onde possa dormir e ficar quieto se assim desejar. Um local onde sejam oferecidas comida e água fresca e outro local onde possa realizar suas necessidades (urina e fezes), normalmente longe do local onde se alimenta. Desde o início (quando filhote), deve ser estabelecidos limites ao animal, como onde pode entrar, onde pode dormir, se pode subir nos móveis e sofás, se vai dormir junto ao dono ou em local separado etc. Normalmente quando temos um filhote, que invariavelmente é bonitinho e agradável, tendemos a carregá-lo no colo, colocarmos para dormir junto a nós, deixar sobre o sofá etc. Temos que lembrar-se sempre de que esse animal vai crescer e pode ate não ficar tão bonitinho e pequeno e que se foi acostumado a todas essas regalias, não vai querer perde-las depois que ficar adulto. Por isso desde pequeno já imponha essas limitações, pois pode tornar-se um problema querer fazer isso depois de acostumados.

Em relação às pessoas deve-se levar em consideração casos de alergia aos pelos dos animais, ritmo de vida (se fica muito tempo fora de casa, se viaja com freqüência, se fica final de semana fora de casa etc), pois o animal requer cuidados e companhia, principalmente nos primeiros meses de vida. Depois de adulto, temos que nos preocupar com os banhos normalmente semanais, passeios e atividades físicas diários, remoção e limpeza de fezes e urina, cuidados com saúde, vacinação anual, visitas periódicas ao veterinário, cuidados com alimentação etc. Tudo isso requer tempo e dedicação. Em relação às fêmeas temos que nos lembrar dos cios (períodos férteis), que nas gatas se manifesta em miados constantes e tentativas de sair de casa a cada 15 a 30 dias e que nas cadelas se manifesta com sangramento vaginal por 8 a 12 dias, duas vezes ao ano, podendo sujar o ambiente, principalmente apartamentos.

Deve se levar em consideração que todos os habitantes da casa devem estar de acordo em adotar um animal de estimação.

Quais doenças eles podem transmitir?

Animais saudáveis e vacinados (cães e gatos), praticamente não transmitem doenças aos homens. Deve-se manter os animais vermifugados a cada 6 meses para prevenir doenças como “bicho geográfico”, giardíase entre outras, usar preventivos contra pulgas e carrapatos nos animais regularmente, , vacinar contra a raiva todo ano, manter o animal limpo e  tosado para evitar sujidades nos pelos, não alimentar os felinos com carne crua ou permitir a caça de aves e roedores para evitar a transmissão da toxoplasmose (através das fezes de gatos doentes), controle de mosquitos para o controle da leishmaniose em áreas endêmicas entre outros cuidados. Conhecer a procedência do animal, visitas periódicas ao veterinário para avaliação clínica e exames para detecção dessas doenças, além de hábitos saudáveis e medidas básicas de higiene são suficientes para a prevenção das doenças acima citadas.

Quais as raças mais indicadas para ficar dentro de casa?

Depende do tamanho da casa e dos hábitos e rotina das pessoas. Para apartamentos indicamos animais de porte pequeno, que exija menos cuidados com o pelo (não troquem de pelo,  mesmos que necessitem de tosa regularmente), e que não sejam muito ativos e barulhentos. Muitas vezes os felinos se encaixam com perfeição nessas qualidades, pois são muito independentes e requerem menos cuidados e atenção, principalmente se tiverem que ficar sozinhos por algum período do dia. Para os cães podemos indicar o Maltes, o Lhasa apso, o Shi tsu, o Poodle entre outros.
Onde devem ser feitas as necessidades? Como ensiná-los?

Em um local de fácil limpeza, de preferência longe do local onde comem. Pode se usar caixa e areia (para gatos) ou fraudas ou jornais para os cães. Os gatos já nascem sabendo o que fazer e normalmente não precisa ensinar. Somente os gatos machos adultos não castrados podem urinar fora do local indicado, nesse caso para marcar território. Já os cães precisam de um pouco de paciência e dedicação para ensinar o local adequado, mas normalmente em torno do quarto mês de vida já sabem fazer no local indicado. Também os cães machos adultos não castrados podem urinar fora do local para marcar território. O local deve ser lavado periodicamente com hipoclorito de sódio diluído (água sanitária) e de preferência ser exposto ao sol e bem arejado para evitar que fique úmido. Alguns cães podem precisar de adestramento ou um ensinamento mais intenso, mas invariavelmente se tiver consistência de ensinamento, aprendem muito facilmente.
Qual o alimento ideal?

Ração de boa qualidade e procedência sempre será o alimento indicado, de acordo com a idade, e tamanho do animal.



Posts Relacionados:


  1. Primeiros cuidados com filhotes de Gatos

  2. Jardins e vasos ornamentais escondem perigos tentadores para cães e gatos