Cárie dos gatos afeta 68% dos animais em idade adulta

Compartilhe

Cárie dos gatos afeta 68% dos animais em idade adulta 23 de junho de 2011

dente - Cárie dos gatos afeta 68% dos animais em idade adulta

Assim como os cães, os gatos também estão sujeitos a problemas relacionados à saúde oral. Além das ocorrências mais comuns – como as doenças periodontais, as fraturas e o aparecimento de tumores – os felinos também estão sujeitos a ocorrências odontológicas especificas da espécie.Conhecida antigamente como cárie dos gatos, a Lesão de Reabsorção Odontoclástica Felina (LROF) atinge a maior parte dos bichanos em idade adulta e tem sua incidência aumentada à medida que os animais envelhecem. Responsável pelo Serviço de Odontologia do Hospital Veterinário Pet Care, o Dr. Ricardo Radighieri explica que, de acordo com a literatura, no mínimo 68% dos felinos terão a doença em pelo menos um dente durante a vida toda.

O médico veterinário explica que as lesões desta natureza se apresentam como uma erosão ou perda da estrutura do dente. Neste caso, forma-se um buraco que, com o passar do tempo, vai sendo encoberto pela gengiva. É comum ainda que a gengiva esteja inflamada na região onde ocorre a LROF. A origem da doença ainda é desconhecida, mas os especialistas reconhecem que fatores como alterações imunológicas, gengivite, periodontite, dieta, trauma ou doenças virais podem acentuar a atividade das células responsáveis pela produção da dentina e de outros tecidos do dente, fazendo com que estes sejam reabsorvidos. “Neste caso, é necessário fazer a extração do dente afetado”, esclarece Dr. Radighieri. “Por isso, o ideal é que a cavidade oral dos felinos seja avaliada pelo menos uma vez por ano”.

Essas lesões também provocam dor e incômodo nos bichanos e os proprietários devem estar atentos a mudanças de comportamento para detectar o problema. “O animal pode passar a ficar mais quieto, apresentar perda de apetite ou demonstrar dor ao mastigar, isto geralmente acontece quando ao animal solta o alimento de forma brusca, como se tivesse levado um choque no momento da mastigação”, ensina o veterinário. “Nos gatos também é comum notar uma intensa salivação e, muitas vezes, a diminuição, ou mesmo ausência total, do hábito de se lamber, tão comum quando estão saudáveis”.

Dr. Radighieri esclarece também que a maioria dos procedimentos odontológicos em animais de companhia deve ser realizada com anestesia geral. Para tanto, o mais indicado é buscar centros médicos que ofereçam estrutura completa para atendimento de emergência. “Os animais não ficam parados como os humanos, razão pela qual não é viável realizar o atendimento com a anestesia local ou com o animal apenas sedado”, justifica. “Atualmente a segurança das anestesias gerais são muito próximas a 100%. O ideal é que a anestesia utilizada nos gatos seja inalatória e que, antes do procedimento, o animal realize exames para checar as funções renais e cardíacas e seu estado geral de saúde”.

 

Gostou do conteúdo?
Compartilhe

Leia também

Ibirapuera

11 3050-2273

11 95023-3626

Av. República do Líbano, 270 Ibirapuera - SP

Saiba maissaiba mais da unidade Ibirapuera

Morumbi

11 3740-2152

11 99451-6319

Avenida Giovanni Gronchi , 3001 Morumbi - SP

Saiba maissaiba mais da unidade Morumbi

Pacaembu

11 4305-9755

11 97450-1843

Av. Pacaembu, 1839 Pacaembu - SP

Saiba maissaiba mais da unidade Pacaembu

Tatuapé

11 3019-2300

11 99787-1305

Rua Serra do Japi, 965 Tatuapé - SP

Saiba maissaiba mais da unidade Tatuapé

Centro de Radioterapia

11 94394-6254

Rua João Avelino Pinho Mellão 321 - Morumbi - SP

Saiba maissaiba mais da unidade Centro de Radioterapia