Existem dois tipos de verrugas mais comuns em cães. Uma que encontramos em animais jovens e outras que são mais comuns em animais mais velhos.

Essas “verrugas” de animais jovens, os papilomas, são na verdade lesões causadas pelo vírus do papiloma, que induz na pele a proliferação de “nódulos” geralmente benignos localizados na mucosa (gengiva, céu da boca, língua) ou mesmo regiões de transição como nariz, pálpebras, lábios e mais raramente na vulva e ânus dos cães.

Essas verrugas têm normalmente o aspecto de uma “couve-flor”, começando pequenas, lisas e pálidas (brancas) que com o passar do tempo ficam mais escuras e “enrugadas”. Elas são trasmitidas de cão para cão por contato direto, que muitas vezes acontece quando eles se lambem e se cumprimentam. Nem todos os cães que tem contato com esse vírus desenvolvem a doença e os cães jovens são mais propensos a desenvolver lesões do papiloma porque eles ainda estão imunologicamente despreparados e tendem a brincar e lamber mais do que os cães mais velhos, fazendo com que a pele lesada fique mais propensa ao desenvolvimento desse vírus. Esses papilomas muitas vezes regridem espontaneamente, mas podem ser removidos cirurgicamente se incomodar o proprietário ou o animal.

Existe a possibilidade de “amarrar” essas verrugas fazendo com que caiam, e assim as outras podem desaparecer por completo. Noutras vezes mandamos fazer uma autovacina. Esta autovacina é produzida a partir de uma verruga extraída e enviada para o laboratório.

Estas lesões são contagiosa entre cães, mas não para as pessoas ou para gatos. Os proprietários não precisam se preocupar com isso.

Já as “verrugas” de cães mais velhos podem aparecer em qualquer parte do corpo, embora elas tendem a se desenvolver mais frequentemente nas extremidades das patas, como ao redor dos dedos e pés, e no abdômen. Essas verrugas podem acometer qualquer raça, mas é muito comum em Poodles, Cocker e Schnauzer e estão relacionadas a alterações de glândulas sebáceas da pele do animal mais velho.

Na maioria destes casos, os cães mais velhos afetados por essas verrugas são imunocomprometidos, muitas vezes devido ao uso crônico de cortizona ou mesmo queda de resistência. Estas verrugas podem começar como pequenos nódulos lisos que passam a crescer ao longo do tempo. Como essas verrugas tem origem em glândulas sebáceas, normalmente acumulam secreção gordurosa ao redor, o que favorece a proliferação de bactérias, levando então a coceira e ao trauma, quando sangram e passam a incomodar o animal.

Se não fosse por isso, essas verrugas não precisariam ser tratadas, mas as vezes precisam ser removidas por razões estéticas ou se causam esse desconforto e sangramento. Outra forma de trauma pode ocorrer durante os banhos, tosa e escovação do pelo, fazendo com que sangrem também.

Nesse caso elas devem ser removidas cirurgicamente.

Como os cães tem vários tumores cutâneos (mastocitoma, histiocitoma, sarcomas, linfomas etc), somente um Médico Veterinário pode diferenciar se o nódulo em questão é uma verruga ou um câncer de pele.

 



Posts Relacionados:


  1. Verrugas (Papilomatose) em cães